Pâmela resolve ignorar a pergunta de Robson, que a questiona intrigado:
- Vai fugir agora da pergunta? Esse cara parece que mexe contigo de uma forma que me deixa intrigado.
Ela vira-se à ele neste momento e rebate:
- Eu não estou fugindo não e se você não confia em mim, então o problema é seu!
- Eu não lhe disse que não confiaria. Só fico intrigado.
- Robson, eu não tenho nada com esse cara. A gente se viu algumas vezes mas não rolou nada.
- Eu confio em você, Pâmela. Eu não sei quem é esse cara mas gostaria de saber pelo menos o nome dele. Me diga o nome. - Pede Robson, sério.
- Por que isso é importante agora pra você?
- Ah sei lá. Mas tudo bem, vamos esquecer isso. Eu não quero que você se sinta magoada comigo só por causa de uma pergunta idiota que te fiz. Se você gostasse dele de verdade, nem estaria comigo não é mesmo?
- Com certeza. - Ela diz, o abraçando fortemente com uma seriedade no olhar.

Tão Perto

Daniela e Ronaldo sentam num banco da praça e os dois ficam ali conversando, sob o céu estrelado enquanto os foliões se divertem na rua.
- Você parecia preocupado mais cedo. O que houve?
- Minha namorada que ficou no Rio. Ela ficou com ciúmes quando falei que tinha conhecido você.
- Sério? Mas você explicou à ela...
- Relaxa. Sim. A gente conversou mas acho que ela não entendeu muito.
- Ela parece gostar muito de você a ponto de ter uma atitude dessas.
- Sim. Mas ela é legal. Gente boa. Depois que eu resolver minhas coisas pessoais aqui em Angra, vou voltar pro Rio e reencontrá-la. - Ele diz, decidido.
Daniela fica séria neste instante.

No dia seguinte, Tenório conversa com a empregada sobre ir para a região de Bomfim e Verônica acaba escutando a conversa de repente. Ela deduz que o piloto pode visitar Wanda e fica pensando na ideia de que seu pai também pode estar ciente da situação. Ela resolve ir ao escritório para falar com ele, mas é tarde.
- Onde meu pai foi? - Ela questiona a uma empregada que estava limpando o chão próximo da porta.
- Ele saiu bem cedo, senhorita Verônica mas não disse onde ia.
Verônica se sente irritada e vai até o heliporto, onde avista Tenório arrumando umas coisas.
- Por acaso pretende sair com o helicóptero hoje?
- Sim, Verônica! - Responde o piloto.
- Meu pai vai junto? - Ela o questiona.
- Sim. Por que? - Ele pergunta intrigado.
- Pra onde vão?
- Desculpa, mas não é da sua conta. - Diz Tenório, se afastando.
- Escute aqui: você é apenas um empregado nesta casa e eu mereço respeito.
Tenório a encara e diz:
- Eu só devo satisfação ao senhor Humberto. A você não!
Verônica sai como uma fúria e a empregada de longe, faz um gesto negativo à Tenório.

Matheus e Cínthia entram no supermercado e compram umas coisas, sempre juntinhos e trocando carinhos um com o outro. Ao passarem no caixa, os dois disputam quem vai pagar pelas compras e Giuliano fica olhando a cena surpreso. Mas finalmente alguém decide.
- Vai ser no dinheiro ou cartão? - Pergunta Giuliano à Cínthia.
- Cartão de crédito, por favor! - Diz ela, sorrindo.
Giuliano passa o cartão na maquininha e tenta disfarçar os olhares para a jovem.
- Sua senha.
Enquanto ela digita, Giuliano fica a admirando mas Matheus percebe e fica com ciúmes por dentro. Ao liberar as compras, Giuliano entrega o comprovante e Cínthia agradece.
- Volte sempre! - Ele diz, gentilmente à ela.
- Pode deixar! Nós voltaremos. - Diz Matheus, de uma forma arrogante e saindo com ela do estabelecimento.
- O que deu em você pra falar daquele jeito com aquele rapaz? - Se intriga ela.
- Ele não tirava os olhos de você.
- Ficou com ciúme? Que fofo!
- Pára. Eu não gostei da forma que ele te olhava.
Cínthia sorri e o beija na boca.
- Deixa de ser bobo. Estou contigo e não abro mão disso.

Rafaela pensa em Ronaldo e acaba se lembrando dos momentos que passara com o rapaz antes de ele viajar pra Angra. Ela pega uns livros e acaba folheando algumas páginas, mas o pensamento parece voar para Angra e focar somente em Ronaldo. Ela resolve pegar o celular, mas ás vezes desiste de ligar. Depois, volta a pegar o aparelho novamente e fica pensando uma, duas, três vezes. E enfim, ela vê uma fotografia dele no porta-retrato e ao pegar o objeto, coloca contra o peito.
Em Angra, Ronaldo também pensa nela e deitado, fica olhando a foto da jovem e se lembrando dos momentos que passara no Rio.
Ele decide discar para Rafaela, mas uma mensagem de texto surge de repente. Era Daniela, convidando-o pra sair.
- E então, ele vem com a gente? - Pergunta Mirella ao ver a expressão de Daniela.
- Não sei, mas acho que sim. - Responde ela.
Wanda ouve e sente que sua filha pode estar se precipitando em relação ao rapaz e decide conversar com ela em particular.
- O que foi agora, mãe? - Pergunta Daniela.
- Eu quero que seja sincera comigo: você está gostando desse Ronaldo?
Daniela fica encabulada com a pergunta da mãe.
- Somos apenas amigos.
- Não é o que os seus olhos dizem, minha filha. Eu vejo sentimento. Você parece estar encantada por esse turista. - Diz Wanda, séria. - E se minha suspeita estiver certa, eu acho que você devia colocar os pés no chão firme e parar de voar.
- Mãe, eu não estou entendendo onde quer chegar.
- Se situa, Daniela. Eu não quero que se magoe novamente como aconteceu com aquele tal de Yuri. Você é minha única filha e eu me preocupo seriamente contigo.
- Obrigada, mãe! A senhora tem razão. Preciso focar um pouco mais em mim.
Wanda a abraça fortemente.
"O que difere da Ilha de Itanhangá das demais é que nela existe uma trilha no qual se passarmos, chegamos num topo de uma pedra que nos permite ver um paraíso de águas claras."
Ilha de Itanhangá - Angra dos Reis/RJ
Ilha de Itanhangá

Algumas horas depois, Tenório chega no Centro e se encontra com Humberto que o espera. Os dois vão até a praia do Bonfim de Uber. Chegando por lá, Tenório pergunta ao empresário:
- Tem certeza de que quer mesmo vê-la?
- Sim. - Diz Humberto, decidido. - Ela ainda mora na mesma casa?
Tenório faz um gesto positivo e o empresário sai do carro em seguida. O piloto resolve acompanhá-lo.

Robson deixa Pâmela em casa e se despede dela com um beijo e se afasta. Sorrindo, ela acena ao vê-lo partir de carro e decide destrancar o portão pra entrar dentro de casa. Mas Weslley a interrompe, por um momento.
- Weslley, você quer me deixar doida? Fica me pegando de surpresa. Seu irmão pode nos ver!
- Eu não consigo suportar ver você com ele. - Diz o rapaz, lhe beijando.
A jovem se rende ao momento e acaba retribuindo aquele beijo prazeroso e intenso.
Elaine ouve barulhos no portão e flagra a filha com o rapaz, pela janela e se surpreende.

Postar um comentário

Agradeço pela sua mensagem.

 
Top